CABELOS

Auto-estima e aceitação do cabelo cacheado – Entrevista com Mirele

Olá, hoje eu trouxe uma pequena entrevista que fiz com a Mirele para falar sobre seus cabelos. Conheci ela há mais ou menos 3 anos, comecei a lembrar de como Mirele era e como ela está hoje. A gente conversa bastante e sempre que dá ela comenta sobre o quanto “seu eu” mudou depois de se aceitar como realmente é, uma menina linda que aprendeu a amar sua cor, seu corpo e principalmente seus cabelos e cachos volumosos. A menina de cabelos lindos cacheados conta como foi sua experiência ao passar pela transição. Sabemos que não é fácil, alguma cacheada já falou que seria ?  Mas o resultado  do tempo e dedicação é sem duvidas mais que satisfatório! Leia abaixo um pouco da nossa conversa.

E vamos que vamos falar de cabelos e cachos

Mirele depois já depois da transição.

1 – Como e quando você aprendeu a aceitar seu cabelo como ele é ?
Bom, desde da minha infância, eu já não aceitava, é tanto que minhas fotos com ele solto é uma ou duas. Ele sempre foi volumoso, porém minha mãe não definia cachos e eu vivia com o famoso “rabo de cavalo” cheio de trancinhas (rsrsrs), e entre outros penteados.Então cresci pensado que era o melhor. Quando eu tinha 10 anos, minha mãe já pranchava (ela comprou uma prancha, só queríamos então viver com o cabelo liso (kkkk), nunca cortei desde infância e mesmo que pranchasse, o volume era assustador. Cheguei na adolescência e sempre cabelo liso (e eu não passava nem um dia ele molhado, lavava e pranchava no mesmo dia) depois cortei no ombro sempre pranchado. No final de 2014 eu comecei a ter raiva da rotina de sempre pranchar, parei e comecei a usar coque no cabelo(ele amarrado), depois comecei a soltar o pouco mais lambido na frente segurado com pompo e solto atrás rsrs, comecei ver umas fotos de meninas que tinha cachos e não aceitavam e logo depois começaram a amar o cabelo,então percebi que meu cabelo era lindo, mas faltava cuidados. Certo dia pedi dinheiro a meu pai e fui na cabeleira e disse: Pode cortar, bem curto. Ela cortou quase acima da orelha, no começo foi dificil não sabia ajeitar (mas sabia que foi melhor decisão) não tinha muitos cachos porque a prancha me tirou, comecei ver videos só que então comecei a odiar ele curto (por não saber arrumar), porém com tempo e as youtubers me ajudaram muito.

2 – Você era acostumada a usar seu cabelo liso, certo ? Como foi passar a usar o cabelo com bastante volume ?
Sim, era um vicio, tanto que quando comecei usar ele lambido e solto atrás (kkkkk) eu pranchava a franja, foi questão de muito tempo para eu conseguir aceitar, parei de usar franja, e continuavam lambido, após o corte radical eu não usava volumoso, empurrava creme, para ele ficar apregado no couro cabeludo. Minha irmã me ajudou muito (ele ainda sem nenhuma definição), ela começou me mostrar que era lindo ele volumoso (não com muito volume) eu ainda resisti muito, porem teve uma dia que sai e estava ventado muito, e quando me olhei no reflexo de um carro me assustei com o volume (queria correr para casa), me olhei de novo e me enxerguei de outra forma e comecei a aceitar, me achei linda, depois dei mechas e o volume aumentou e eu me apaixonava mais e mais, e os cachos foi criando formas e o volume aparecendo.

3 – O que fez você sentir vontade para voltar para seu cabelo natural ?
Preguiça (rs), e tipo eu sempre achei aquela atriz Taís Araújo, linda. E pensava “bem que eu poderia ter um cabelo desse” mas a preguiça de sempre tá pranchando, couro cabeludo queimando (tinha vez que eu choravam porque tinha preguiça de pranchar, era muito cansativo, então foi mais uma opção antes de aceitar ele.

4 – Você recebe comentários negativos sobre seu cabelo ? Escuta comentários tipo: Vai com esse cabelo assim ? Porque você não alisa esse cabelo ? Se escutou ou escuta, como lidar ?
Infelizmente existe preconceitos sobre cabelos cacheados e ainda mais se tiver volume. E sim, assim que eu cortei, cheguei na escola me perguntaram se eu tava com uma doença que teve que corta o cabelo, eu apenas dava sorrisos por ser tímida demais já tive que escutar coisas do tipo “cabelo ruim”,”essas negas que tem esse tipo de cabelo e acha bonito”,”alisa esse cabelo” teve resistência da minha própria família, quando tinha uma festa minha mãe dizia “vá no salão escova isso” e eu dizia “Não, tá na hora de aceitar que que vou usar ele assim”, foi muito duro passar por transição, e escutar tantos falatórios negativos, mas fiquei firme na minha decisão. Ainda escuto, mesmo que agora que passou a transição. Porém quando você decidi mudar algo em sua vida, tem que tá preparado. Hoje os que criticavam elogiam, logico que surgiu novas pessoas criticando, mas aquele velho ditado “o silencio fala mais que mil palavras”, apenas coloco o sorriso no rosto e saio.

5 – E os comentários positivos ? Como reage ?
Sempre fui muito tímida, cresci com preconceito pelo meu nariz ser diferente, por usar óculos e por conta do cabelo, então quando recebia elogios eu não aceitava, sempre achava que a pessoa tava mentido, quando aceitei fazer uma sessão de foto me fiz a pergunta: Essa menina tá doida ? Eu nem sou linda, vai precisa de muita edição! Quando recebi, falei: Meu Deus, eu tenho minha beleza! Então comecei aceita meu cabelo mais e mais e aceitado elogios, quem antes escutava e virava as costas, eu já dizia obrigada e sempre sorrido, então me aceitei, quando mudei meu cabelo, mudei minha auto estima.

6 – Fale um pouco sobre quem era você antes de aceitar seu cabelo e depois da transição, algo mudou em você quanto sua auto-estima ? Conte.
“feia”, “Nariz de coxinha”, “quatro olho” e etc. Eu me sentia como as pessoas me chamavam, usavam bastante make para tenta ser aceita, eu não me sentia bem comigo mesma, eu odiava meu cabelo e meu corpo, quando quis mudar eu passei por cima dos comentários e percebi, sim ,eu posso ter minha própria opinião sobre eu mesma, a volta aos cachos foi uma batalha, mas eu não sabia que o que eu fiz se chamava “transição” apenas cortei, pensei que ele nunca ia definir, quando pintei as pontas ele já tinhas cachos, mas ainda tava sem muita definição, depois que cresceu percebi uma definição grande que não batia com as pontas, fui fazer uma hidratação e cortei,voltei ao curto novamente (rsrsrs), hoje eu uso mais acessórios, e um lápis de olho e rímel, acho lindo meu cabelo e minha cor e quero sempre foco nele 😂😂 minha auto estima hoje é fora do normal, mudei minhas vestes que antes era da menina que não queria aparecer, hoje tento me vesti de acordo com meu cabelo, com o estilo que adotei, eu queria ele black para cima, porém os cachos são pesados, cresce para baixo, mas adotei uma filosofia para mim: Se quer mudar, mude tudo não a metade, e não ligue para os comentários se decidiu mudar vá adiante!

Foto 1 e 2: Antes da transição. Foto 3: No inicio da transição.
Depois da transição.

Agradeço a Mirele pela colaboração de nos contar um pouco de sua historia, mesmo em poucas imagens, dá pra ver o quanto ela mudou, não só aceitou seus cachos, mas a sí mesma. Como conheço um pouco de sua historia, sei o quanto foi e ainda é dificil pra ela o fato de ter se aceitado como é, o preconceito e a resistência ainda é grande. Mas aproveito para parabeniza-lá pela coragem, por não se deixar mais abater pelas criticas, porque elas sempre vem, não importa como, sabemos que sempre haverá! Sugerimos que leia como ser ou ficar chique de doer.

Se você também tem um historia legal sobre sua aceitação e tem certeza que ajudará outras pessoas e queira nos contar. Compartilhe!

2 thoughts on “Auto-estima e aceitação do cabelo cacheado – Entrevista com Mirele”

  1. Mulherzinha , que cabelo lindo é esse jovem <3 amei amei amei
    Que deus te abençoe Mirelle amor , que ele te proteja de tudo que for mal e que continue fazendo o possivel por você por mim e por todos nós.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.